quarta-feira, 1 de abril de 2020

O desbunde da leitura

Vou começar a leitura do curioso livro Happiness Found in Translation: a Glossary of Joy from Around the World, escrito por Tim Lomas. Cheguei à publicação após ler matéria na revista The New Yorker sobre não lembro mais que assunto.

A ideia de Lomas foi reunir palavras dos mais diversos idiomas que passassem ideias positivas, relacionadas a diversas temáticas. Tendo o livro chegado, iniciei o ritual de observá-lo, tateá-lo, cheirá-lo, folheá-lo (não necessariamente nessa ordem). Nesse deleite, deparei-me com a palavra saudade, que já consta de alguns dicionários de inglês, e com o verbo desbundar. Na explicação do sentido do verbo, escreveu o autor:

“Exceeding one’s limits.
“The liberation of shedding one’s inhibitions (e.g., in having fun).
“The pleasure of relaxing uptight self-control”. 

terça-feira, 31 de março de 2020

De novo, sobre a CNN Brasil

Há alguns dias, escrevi sobre minha convivência como telespectador, durante décadas, da CNN Internacional. No texto, mencionei também que ainda era cedo para que eu emitisse algum juízo mais nítido sobre a CNN à brasileira. A internauta Déa Fonseca, no Facebook, comentou meu texto, escrevendo: “Os donos são a igreja universal e o dono da construtora MRV. Tire suas conclusões”.

Há pouco, assisti, no Youtube, a um vídeo produzido pelo canal Meteoro Brasil (link na seção de comentários). De acordo com a equipe do canal, Rubens Menin, dono da MRV Engenharia, detém 65% da CNN Brasil. Os 35% restantes pertencem Douglas Tavolaro, sobrinho de Edir Macedo.

A CNN Internacional é contra a atuação de Donald Trump, de quem a emissora é crítica implacável. Já da CNN Brasil, depois de fazer breve apresentação sobre os passados de Rubens Menin e dos processos de que ele é réu, e de Douglas Tavolaro, o realista veredito do Meteoro Brasil, em referência à CNN daqui, deve mesmo se cumprir: “A CNN será a favor do governo — de qualquer governo”. 

sábado, 28 de março de 2020

Novo Brazil

Era o dia 29 de março de 2020; 6h da manhã. Zé Alazão acordou. Antes mesmo de os olhos estarem totalmente abertos, já pulara da cama. Embora essa rotina ocorresse todos os dias, o jeito brusco de ele se levantar não deixava de assustar Maria do Morro, a esposa de Zé Alazão. Meio dormindo, meio acordada, ela olhou para o marido, que já estava se vestindo:

— Acorda, sá. Gente dorminhoca não faz um país. Eu não tô saindo de casa, mas não tô deixando de produzir.

O tempo estava frio. De dentro do quarto, no aconchego da cama, Maria do Morro deu-se conta de que caía uma fina garoa lá fora. A vontade que ela teve foi de curtir a cama um pouco mais, permitindo-se uma preguiça inofensiva naquela manhã de domingo. 

O dono do matadouro já estava vestido. Foi até o espelho, passou a mão pela farta cabeleira. Sentia orgulho de não ter nem um fio branco, embora já estivesse se aproximando dos cinquenta. Pegou escova e pasta dental. Antes de começar a escovação, de dentro do banheiro, dirigiu-se a Maria do Morro:

— Levanta. Quero que você me ajude a fazer umas contas do matadouro.

Zé Alazão escovou ligeiro os dentes. Saiu do banheiro, saiu do quarto, fazendo seus passos rápidos, pesados e intempestivos ressoarem pela casa. Chegando à cozinha, enquanto observava, por uma janela que ficava na lateral, o vasto terreno em que ficava o matadouro, tragou um gole de café. Engoliu, jogou o resto pela janela e disse para Dalva, a empregada:

— O café tá horrível. Tá frio e sem graça. Faz outro.

O terreno que pertencia a Zé Alazão tinha 100 hectares. Dentro desse espaço, ficavam o matadouro e a casa em que ele e Maria do Morro viviam; os três filhos do casal haviam se mudado para os EUA. Embora não fosse o maior matadouro que tinha, era o preferido de Zé Alazão, por ter sido o primeiro. No passado, ele dera ao estabelecimento o nome de Horizonte de Minas. No primeiro dia de janeiro de 2019, Zé Alazão mudou o nome da empresa para Novo Brazil.

Enquanto Dalva preparava outro café, Zé Alazão apoiou as mãos na ampla janela. Alheou-se, ora pousando os olhos sobre o gado, ora sobre as montanhas ao longe, ora sobre os empregados do matadouro. A equipe de trabalho, já às voltas com o gado, procurava, na medida do possível, guardar distância uns dos outros, devido a um vírus que estava se espalhando pelo mundo. Zé Alazão voltou a si quando Maria do Morro entrou na cozinha, cambaleante, modorrenta. Ele foi até o canto da cozinha, pegou um dos megafones, comprados havia poucos dias. Estando outra vez apoiado na janela, aproximou o aparelho da boca; berrou:

— Andem rápido! Comecem a levar o gado para o matadouro. O Brasil não pode parar. 

domingo, 22 de março de 2020

O pedido do amigo

Por estes dias, qualquer um que abra as redes sociais vai se deparar com postagens afirmando que a humanidade será melhor depois da covid-19. Eu havia pensado em escrever algo sobre essa questão, mas como tenho visão negativa quanto à melhora dos humanos, decidi não abordar o assunto. Estava isso definido. Contudo, ontem, um amigo entrou em contato comigo, sugerindo que eu escrevesse precisamente sobre possíveis desdobramentos depois de a epidemia passar. O amigo me fez mudar de ideia; decidi escrever sobre o tema, não como quem profetiza, mas como quem tem olhos voltados para o redor e curiosidade voltada para o passado. 

Estou relendo A Montanha Mágica, do Thomas Mann. Na obra, Hans Castorp visita o primo Joachim Ziemssen, que está num sanatório, tentando ser curado de tuberculose. O plano de Castorp era ficar alguns dias. Na edição que tenho, a história termina na página 827. No começo, o narrador, de modo detalhado, vai contando como é a rotina no sanatório. A última frase da página 99 é uma fala de Ziemssen, que indaga o primo (a tradução é de Herbert Caro): 

“— Como quer formar uma opinião logo no primeiro dia?”.

Na primeira frase da página 100, Castorp comenta:

“— Meus Deus! É ainda o primeiro dia? Já me parece que estou aqui há muito, muito tempo...”.

Um dia, pormenorizado em cem páginas, dá clara ideia de como era a vida no sanatório que Hans Castorp fora visitar.

No livro Jane Eyre, da Charlotte Brontë, a personagem principal, que dá título à obra, vai embarcar numa carruagem. Antes de partir, ela perguntara para o condutor se o destino dela ficava longe do lugar em que estavam no momento do embarque. O condutor respondeu (tradução de Anna Duarte e Carlos Duarte):

“— Pouco menos de dez quilômetros”.

Jane Eyre diz a seguir:

“— Em quanto tempo chegaremos lá?”.

A resposta do condutor:

“— Em uma hora e meia”.

Acima, os dois trechos dos livros ilustram que houve uma época em que a humanidade lidava com o tempo tendo uma subjetividade diferente da nossa. Havia menos correria, dentre outros fatores, porque havia menos tecnologia. Com a popularização dos dispositivos eletrônicos e da internete, além da mudança nos meios de locomoção, houve quem dissesse, em meados da década de 90 do século XX, que a tecnologia e todo o seu aparato fariam com que passaríamos a ter mais tempo livre, mais tempo para nos dedicarmos a projetos pessoais.

Décadas depois, sabemos que não é nada disso. O entusiasmo inicial logo seria extinto. A realidade tornar-se-ia bem diversa daquela ingenuidade de meados da década de 90. Não é pequeno o número de pessoas que levam o trabalho para casa, dentro do bolso ou da bolsa, embutido num celular.

Em nosso modo de lidar com o tempo, é comum as pessoas se impacientarem quando a velocidade de navegação na internete não está como é usualmente, um texto de uma página é chamado de “textão”, um caminho de dez quilômetros levar uma hora e meia para ser percorrido é uma aberração, um livro usar quase mil páginas para contar o dia 16 de junho de 1904 na vida de um sujeito é contraproducente. O modo subjetivo como tratamos o tempo neste século XXI não será o mesmo dos séculos que se foram, estando a covid-19 no ar ou não estando. Não sei como nossa subjetividade vai lidar com o tempo no porvir. O que afirmo é que não lidaremos com ele como um dia já lidamos.

Outra possibilidade que as redes sociais têm apontado é a de que haverá novos afetos, ou, melhor dizendo, haverá (mais) afeto, terminada a pandemia. Nesse mundo vindouro, pós-covid-19, relações familiares, amistosas e amorosas teriam se dado conta de que o que realmente importa não são nossa correria nem nosso consumismo. Essa nova era traria um ser humano mais consciente de seu papel no trato para com a Terra e para com o próximo, não importando se o próximo será um vizinho, um parente ou um colega de trabalho. Não consigo vislumbrar essa nova “era”. O único “prognóstico” que faço é o de que os afetos vão continuar como estão agora. Não creio numa humanidade mais consciente depois da passagem da covid-19. Um ou outro pode rever sua existência, mas, no todo, seguiremos basicamente os mesmos.

Alguns otimistas têm ainda divulgado que haverá, depois que o vírus não for mais ameaça, um novo modelo econômico, que também seria mais preocupado com o bem-estar coletivo, em vez de centrado no próprio umbigo. Nesse novo modelo, haveria a possibilidade de todos terem maior dignidade quando em atendimentos de emergência, não importando a condição financeira da pessoa. Haveria menos neoliberalismo e mais cuidado humanitário, o que implicaria menos sanha na defesa de que tudo — tudo mesmo — seja privatizado. Esse modelo não ocorrerá. Para ficar no nosso caso, levando-se em conta que estou em Patos de Minas: governos federal e estadual defendem privatizações. Não é uma pandemia que fará esse pessoal mudar de ideia. Os planos privatizadores seguirão curso passada a pandemia, a qual, de resto, não os impede de prosseguirem. Além do mais, não é somente parte da classe política a querer a privatização de tudo; em meio à população, há grande parcela a defender que todos os serviços públicos estejam em mãos particulares, não importa a natureza do serviço público, mesmo com empresas recorrendo ao governo quando lhes convém, e não é preciso uma pandemia para que governos socorram empresas. 

A utopia é válida, mas utopia que não consegue enxergar, de antemão, as coisas tais quais estão postas corre o risco de se tornar ingenuidade ou desvario. Negar o sonho é perigoso; negar a realidade também é. Não há clima de mudança sendo sugerido, não há um novo modelo de vida sendo edificado pela maioria. O que há é medo e muita ignorância. Leve-se ainda em conta de que é comum as pessoas romantizarem o passado, mormente as que não o pesquisam.

Nesse estado de coisas, há ainda a crença, tida por muitos, de que a natureza se importa conosco ou de que bastaria a fé numa deidade qualquer para que nossas vidas fossem protegidas. Um furacão não pensa algo do tipo “hum, aquele ali é o Zé das Couves [nome fictício]. Vou poupar a casa dele de minha força avassaladora, pois ele é trabalhador, tem bom caráter, é justo”. Quem está na rota de um furacão é engolido por ele, não importam as crenças ou o caráter dessa pessoa. A natureza não sabe de nossos dramas; por mais que alguns insistam, não são preces que pouparão uma pessoa de ter covid-19, ainda que muito se acredite nisso. Não é preciso ser especialista em alguma coisa para saber que, terminada a passagem desse vírus, o número de mortos terá sido maior entre os pobres, os desassistidos, o que nada tem a ver com fé.

Eis, pois, o texto pedido pelo amigo. Em função da amizade, ele me dirá se gostou ou não. Pode ser que discorde de um tópico ou de outro, pode ser que concorde com outro. O amigo é do tipo, não somente quando se dirige a mim, que sabe discordar sem xingamentos, que sabe opor-se sem preconceitos e com inteligência. Eu e ele sabemos que importa a amizade, essa coisa velha que não deixa de fazer sentido.

Por que sou contra os panelaços

O João Doria foi mais um que disse ter se arrependido de seu voto para presidente na última eleição presidencial, como se ele, Doria, fosse um gamo inocente que não sabia o tipo de político que o presidente tem sido ao longo das décadas. Há a história dos ratos, os quais, segundo a alegoria, abandonam o navio ao pressentirem o afundamento. Em breve, Doria vai estar noutro barco, que também vai abandonar.

A cara de pau do Doria é a mesma da Janaina Paschoal, é a mesma do Lobão, é a mesma da Folha de S.Paulo no editorial “Sob ataque, aos 99”, é a mesma dos que bateram panela defendendo golpe, é a mesma dos que votaram no atual presidente por ele defender ditadura, por ele defender milicianos, por ele defender torturadores... Enfim, gente que votou no atual presidente exatamente por ele ser quem é. 

Agora, não me venham com conversinha mole de que estão decepcionados. Conversei com algumas libélulas, aqueles delgados e graciosos insetos. As libélulas me disseram saber há tempos: alguém que não é capaz de se portar como estadista em águas brandas não se comportaria como estadista num mundo povoado por covid-19. Boa parte dos que bateram panela ontem e boa parte dos que estão agendando via internet bater panela hoje à noite, com seu disfarce de cidadania, são uns desavergonhados. 

O presidente está sendo o político que ele sempre foi. Ele pode e deve ser acusado de centenas de atrocidades, mas não pode ser acusado de estar sendo quem ele não era. Os “paneleiros” se fingem surpresos, indignados. Ora, isso é cinismo. O mais expressivo e estrondoso dos atos seria defender a democracia, seria defender a civilidade. Prefiro fazer isso a meu modo a me juntar, seja batendo panela, seja compartilhando chamamentos para outros “paneleiros”, com quem se afina com a ideia de que o erro da ditadura foi não ter matado mais.

Quero dizer com isso que ninguém está sendo genuíno ao bater panela ou ao se dizer arrependido de seu voto para presidente? Não, não quero dizer isso. Em nenhum trecho de meu texto, generalizo. O que quero dizer, é que boa parte dos “paneleiros”, na primeira oportunidade, vai eleger um novo Collor, um novo Bolsonaro. Boa parte dos “paneleiros” é como o dono do posto de gasolina que agora esbraveja contra o valor cobrado pelo álcool em gel, fingindo que não aumentou o valor do combustível quando da greve dos caminhoneiros. Entrementes, vou ali preparar um guisado.
___________

(Esse texto deveria ter sido publicado no dia 18 de março. Eu o deixei como rascunho e me esqueci de postá-lo aqui. Ainda assim, ei-lo.) 

segunda-feira, 16 de março de 2020

Um domingo e duas frases weberianas

É muito comum as pessoas se valerem do direito de expressão. Sim, ele (ainda) existe, resiste. Há casos em que, ao falar de direito de expressão, as pessoas não estão interessadas em arcar com esses direitos. Direitos podem ter consequências. Tenho o direito de dizer, por exemplo, “o Zé das Couves [nome fictício] é um ladrão”. Se isso digo, tenho de ter clara noção de que há a possibilidade de eu responder judicialmente por essa declaração. Reiteremos: o exercício de um direito pode ter consequências legais.

É direito de qualquer um fazer de seu corpo o que bem entender. Se, digamos, o presidente de um país quiser chupar um picolé de limão, suicidar-se, ir a uma manifestação ou dormir com meias de cores diferentes, isso é direito dele. Todavia, o exercício de um direito, em público, pode interferir de modo negativo na sociedade, pode incorrer em crime. Se um cidadão está com os documentos do carro em dia e se está com sua carteira de motorista devidamente legalizada, ele tem o direito de sair com o carro dele. Mesmo assim, se ele atropela alguém no trajeto, ele poderá, depois de analisado o caso, ser penalizado judicialmente. O fato de os documentos do carro estarem em dia e o fato de não haver problemas com a carteira de motorista dele não o exime da possibilidade de ser responsabilizado caso ele atropele alguém.

Muito se tem falado na irresponsabilidade do presidente da república ao convocar manifestações contra a democracia em vias públicas e em logradouros, e da irresponsabilidade dele ao participar ontem de uma dessas manifestações, ainda mais levando-se em conta o cenário em que o mundo convive com o coronavírus. Pode-se e deve-se falar sobre a irresponsabilidade do presidente.

De sua presença em manifestação, o presidente disse: “Se eu me contaminei, isso é responsabilidade minha”. O cidadão tem o direito de se contaminar; ele tem o direito de inocular em si o vírus que ele bem entender. Mas, como escrito acima, o exercício de um direito pode ter implicações legais. Ele pode ou poderia ter chegado à manifestação já com a covid-19; ele pode ou poderia ter se contaminado com o vírus durante a manifestação. Neste caso, ele se encontrou com outras pessoas depois da manifestação; naquele caso, pode ou poderia ter levado à manifestação o vírus que carregava. Em qualquer um dos casos, foi irresponsável, pois ele teve contato físico com os manifestantes.

O Reinaldo Azevedo, em texto publicado ontem, prestou mais um belo serviço ao jornalismo e ao país, indicando as leis que o presidente infringiu recentemente. Azevedo chega a usar a expressão “criminoso múltiplo” para se referir à conduta do mandatário. Na seção de comentários, abaixo, após este texto, há link para o texto de Azevedo. No parágrafo a seguir, as leis que o presidente infringiu em sua irresponsabilidade. Detalhes podem ser lidos no texto de Reinaldo Azevedo.

O presidente incidiu nos Artigos 6o e 8o da Lei 1.079, que trata dos crimes de responsabilidade. Ele cometeu crime comum ao contribuir para espalhar o vírus; a pena é prevista no Artigo 268 do Código Penal; ele transgrediu os Artigos 17, 18 e 23 da Lei de Segurança Nacional. Houve crime previsto no Inciso II do Artigo 85 da Constituição, com disciplinamento nos itens 1 e 5 do Artigo 6o da Lei 1.079. Também salutar conferir o Artigo 2o dessa Lei. Reinaldo Azevedo o cita, bem como discorre ainda sobre o Parágrafo 4o do Artigo 86 da Constituição. Até a Janaina Paschoal pediu o afastamento do presidente (sic).

É curioso: muita gente por aí se declara defensora de legalidades, de leis e de direitos, mesmo quando faz apologia à tortura (o que é crime), por exemplo. Muita gente por aí fala em legalidades, mesmo sem se valer das leis que compõem o arcabouço jurídico do país em que vive. Num momento tão sério e que demanda maturidade e firmeza, um presidente diz que ele ter se contaminado é responsabilidade dele, como se não estivéssemos num momento em que um vírus pode ser transmitido para o próximo de modo tão fácil. O mandatário não tem empatia nem senso da gravidade do momento. Quanto às leis, mudam com o tempo, mas não é propondo o banimento de instituições democráticas que se busca defender o aparato jurídico de um país.

Mas nega-se não somente o direito, a democracia. O “Zeitgeist” tem levado à negação da biologia, da física, da química, da matemática, da medicina. Milênios de conhecimento são tolamente descartados. O sujeito é incapaz de entender que se ele toma remédio para dor de cabeça, há contribuições de muitos, durante séculos, para que o remédio esteja ao alcance. Sem estudar, sem procurar aprender, nega-se a ciência, o conhecimento. O sujeito cria um canal no Youtube e nega o que a humanidade já sabe há milênios. Há ainda a negação da arte. Estamos na era da negação. O que, em tese, poderia ser algo bom, já que questionar ou duvidar é algo, em princípio, saudável, tem sido praticado de forma tola, desumana e inconsequente. Na era em que estamos, nega-se, sobretudo, o fato. Lembremo-nos da declaração do presidente quando o exército matou, dando centenas de tiros, integrante de uma família que estava indo a uma festa: “O exército não matou ninguém”.

O advogado e professor Weber Abrahão Júnior escreveu em seu Facebook duas frases, as quais pinço: “Os idiotas estão vencendo” e “o ódio está vencendo”. Caro Weber, sem querer soar fatalista nem pessimista, digo que a idiotice e o ódio vencem desde que há pessoas neste planeta, e vão continuar vencendo. Eles sempre foram vencedores. Eles são vencedores. Eles serão vencedores. Tudo isso, entretanto, não é motivo para que se deixe de apontar idiotices e ódios, não é motivo para que não se escancare o fato, a evidência. Idiotice e ódio venceram, vencem, vencerão. Nem por isso terão sossego. Acho que foi o Darcy Ribeiro quem disse ou escreveu algo sobre estar do lado de quem perdeu. Estamos, Weber. Ainda bem. 

domingo, 15 de março de 2020

O vírus invisível

Já comentei que o problema pode não estar na fé, mas, sim, na má-fé e na burrice. Sobre o coronavírus, Edir Macedo disse que a epidemia é “tática de Satanás”. Macedo fala ainda em “pavor que a mídia tem usado”, tática essa que, aliás, já foi usada por outros políticos.

Que há inconsequentes imbecis que preferem ignorar a ciência (muitos deles, enquanto não estão doentes), disso, já sabemos. Ou o sujeito ignora a ciência por interesse próprio ou por burrice (ou pelas duas coisas). Curiosamente, a própria Igreja Universal publicou lista de cuidados contra a covid-19, a despeito da fala de Macedo.

É óbvio que há pessoas de fé que não são burras nem interesseiras; é claro que há pessoas religiosas que querem o bem, o bem do outro ou algo similar. Todavia, há muita coisa por aí chamada de fé que não passa de canalhice de líderes “religiosos” (não importa o dogma que dizem defender) e de burrice de seguidores.

A fé e o vírus

O prefeito de Goiânia havia dito que a cidade não seria atingida pela covid-19 porque, na visão do político, é protegida por Deus. Há casos da covid-19 confirmados em Goiânia; a prefeitura já está agindo na tentativa de coibir o alastramento dos contágios. O prefeito ainda havia dito que “o Brasil não será atingido por isso”, em referência ao vírus. A exemplo do presidente da república, o prefeito alegou que estaria havendo estardalhaço quanto à covid-19. O problema nesses casos não é a fé. O problema são a má-fé e a burrice; esta pode estar junto daquela na mesma pessoa. 

domingo, 8 de março de 2020

Quase castos

É o flerte por si, em si. 
Não vão para a cama 
nem daqui a dois minutos 
nem no ano que vem.  

Olhares que muito sugerem 
mas que nada prometem. 
Dois desconhecidos que se olham 
furtivamente à meia luz. 
Não estão se despindo no futuro; 
estão se criando no presente.  

Ela se levanta, olha pela última vez, vai embora.  
Ele a observa se afastar, chama o garçom.  
Contente, pede mais uma.

domingo, 1 de março de 2020

Enquanto Eu Respirar

Uma colega de trabalho me emprestou o livro Enquanto Eu Respirar, de Ana Michelle Soares, publicado pela Sextante. É sobre a convivência da autora com o câncer.

Quando comecei a ler, logo gostei de como Ana Michelle Soares, ou AnaMi, como ela gosta de ser chamada, não quis soar profunda nem quis soar literária em sua escrita. Justamente por assim escrever, o livro, em sua “simplicidade”, torna-se denso, bonito, triste, comovente. Outro grande mérito de Ana Michelle Soares é não cair num mequetrefe discurso de autoajuda nem cair em pobre pieguice.

O livro é triste e é bonito. Na vida, tristeza e boniteza não se excluem. A autora narra, com uma pitada de humor aqui e outra ali, que ter câncer não é o mesmo que assinar uma sentença de morte, ainda que se tenha plena consciência de que ela, a morte, possa vir antes do que se imaginava. O belo paradoxo narrado em Enquanto Eu Respirar é o de que a real consciência da finitude é libertadora.

Sempre digo que escrever um livro é um ato a favor da vida, um ato de crença na vida. Nesse sentido, a mera existência de Enquanto Eu Respirar é um atestado de fé; valho-me da palavra “fé” não no sentido religioso, cristão, mas uma fé que se faz no dia a dia porque a pessoa se dá conta de que a vida, apesar de todos os pesares, é um troço que vale a pena ser vivido.

A autora dedica grande parte do livro a relatar a amizade com Renata, carinhosamente chamada de Rê, que também tinha câncer. É emocionante acompanhar a convivência entre as duas, o amor de uma pela outra, ambas frequentemente às voltas com sessões de quimioterapia ou com outros procedimentos relacionados ao tratamento.

Por isso de que já falei, o livro já valeria a pena. Mas, há mais. Enquanto Eu Respirar, sem cair em conselhos bobos ou cheios de pseudossabedoria, alerta-nos para o quanto perdemos tempo com coisas que não têm importância alguma. Num sentido amplo, em seu jeitão simples e despojado, o livro nos conclama a amar, a mergulhar na vida, a não adiar sentimentos e a dar valor nas coisas ditas simples. Para quem está doente, uma brisa pode ser uma dádiva, mas por que precisamos ficar doentes para percebermos que a brisa é uma dádiva?

Outra questão mencionada no livro é o quanto alguns médicos ainda vacilam por não enxergarem no doente não uma estatística, não um número, não um entrave para o plano de saúde. Por um lado, há doentes que não facilitam tratamentos; por outro, há médicos que não entendem que no corpo com câncer ou com qualquer outra doença, mora um ser humano. Uma sintonia entre médico e paciente é possível. 

Os trechos em que a relação médico-paciente é desenvolvida pela autora remeteram-me às obras de Oliver Sacks (um de seus livros é inspiração para o filme Tempo de Despertar) e ao livro Sem Causar Mal, escrito por Henry Marsh, médico inglês. Tanto Sacks quanto Marsh entenderam que um corpo doente é tão belo quanto qualquer outro corpo. 

Essa atmosfera paira em Enquanto Eu Respirar. Os que se interessarem pelo livro podem também conferir o perfil @paliativas, mantido por Ana Michelle Soares, no Instagram. Ela escreveu em seu livro: “É triste não poder falar sobre amor”. Por isso mesmo, Enquanto Eu Respirar é um livro feliz, pois é um livro que exala amor. 

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Folha do cinismo

O editorial em que a Folha de S.Paulo se diz sob ataque, intitulado “Sob ataque, aos 99”, chega a ser cínico, não porque ela não esteja sendo atacada, mas porque ela ajudou a colocar no poder gente que nunca respeitou a democracia, que defende ditadores e torturadores, gente que só veio a falar em presunção de inocência quando o envolvido era um miliciano. Seria cara de pau da Folha dizer ter suposto que o cenário seria diferente deste em vigor. Ela está sendo tão patética quanto foi o Lobão quando ele gravou vídeo dizendo-se arrependido de seu voto para presidente.

“Frustraram-se, faz tempo, as expectativas de que a elevação do deputado à suprema magistratura pudesse emprestar-lhe os hábitos para o bom exercício do cargo”, publicou a Folha. “Frustraram-se”?! Ora, ninguém é imbecil a ponto de supor que haveria “hábitos para o bom exercício do cargo”. Mudanças de hábitos vêm de dentro para fora, são frutos de reflexão. Nem cândidas ovelhas em pastos viçosos e verdejantes esperavam que a suprema magistratura pudesse tornar um tosco que elogia tortura em um cavalheiro respeitador de princípios democráticos.

Grande parte dos ataques contra a Folha tem partido de pessoas que não querem democracia, que são xenófobas, homofóbicas, afetadas, racistas, elitistas, defensoras de ditaduras, adeptas de incivilidades. Gente que aplaude quando o chefe de uma nação, em vez de responder a questionamentos pertinentes, apela para a vulgaridade ou para a fuga.

Dito isso, é preciso dizer também que os ataques são tão tacanhos quanto o próprio jornal. O cinismo da Folha não é justificativa para que ela seja atacada, mas, além de expor os vitupérios que tem recebido, o periódico de São Paulo deveria fazer seu mea-culpa na patuscada que agora grassa dos pampas à caatinga. A Folha está colhendo o que ela mesma e tantos outros ajudaram a robustecer. Os frutos envenenados vão parar também na mesa de quem não os plantou. 

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Mandamentos

Homem religioso mandou — 
fiel votou.

Homem religioso mandou —
fiel acreditou em messias.

Homem religioso mandou — 
fiel defendeu tortura.

Homem religioso mandou — 
fiel desmaiou.

Homem religioso mandou — 
fiel acordou.

Homem religioso mandou — 
fiel deu grana.

Homem religioso mandou — 
fiel se calou.

Homem religioso mandou — 
fiel não estudou.

Homem religioso mandou — 
fiel mentiu.

Homem religioso mandou — 
fiel se ajoelhou.

Homem religioso goza. 

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Natural da Ádria

Milicianos
são amigos uns dos outros,
promovem churrasco para os pares, 
zombam de leis,
matam Marielles,
têm amigos na presidência,
são homenageados pelos homens do presidente,
presenteiam ordens cumpridas.
Miliciano silencia miliciano que sabe muito.
Miliciano que silencia miliciano que sabe muito é silenciado.
Miliciano de terno caro sai incólume. 

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

É assim

É preciso fazer. É preciso produzir. É preciso criar. O que, talvez, não tem significado nem sentido agora, terá depois, para alguém, em algum lugar. Não sugiro com isso que quando o Bruce Hornsby compôs “The way it is” ele estivesse supondo que compusera algo sem valor, sem sentido, sem significado. O que escrevo, é só para dizer que, nesta madrugada, “The way it is” faz sentido (como sempre). Eu sei que o Bruce Hornsby existe, sei que “The way it is” existe. Eu agradeço a ele e à canção. Graças aos dois, existo melhor nesta madrugada. 

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Crenças

1
Há quem acredite que 
o hábito faz o padre.

Há quem acredite que
a farda faz o patriotismo.

Há quem acredite que
o púlpito faz o pastor.

Existem hábitos que violentam.
Existem hábitos que corrompem.
Existem hábitos que estupram.

Existem fardas que violentam.
Existem fardas que corrompem.
Existem fardas que estupram.

Existem púlpitos que violentam.
Existem púlpitos que corrompem.
Existem púlpitos que estupram.

Há quem acredite em imaculados.

2
Há quem acredite que
o discurso faz o cidadão de bem.

O discurso
violenta,
corrompe,
estupra,
tortura.

O jornal acoberta
o hábito,
a farda,
o púlpito,
o discurso.

Há quem acredite no jornal. 

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Água cadente

A sede não tem fim.
No país dos alimentos envenenados,
querem privatizar a água.

Os que já morrem famintos
morrerão de sede.
Os que já morrem sedentos
Morrerão de sede.

A carne é cara,
o combustível é caro,
a água será cara.

Na líquida meritocracia,
ricas taças em mãos
que empunham látegos
invisíveis e eficazes.

Na sólida sarjeta,
a sede de um homem
ergue, com fome,
os lábios para o céu,
bebendo da água
que cai para todos.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

Variações sobre um tema

Tema:
Presidente diz que, se tivesse este poder, “teria anulado, cancelado” investigações contra Flávio Bolsonaro.

Variação 1:
O presidente não anula a investigação contra o filho Flávio Bolsonaro porque não tem poder para isso.

Variação 2:
Houvesse como, o presidente livraria o filho Flávio Bolsonaro das investigações de que este é alvo.

Variação 3:
Tivesse poder para isto, o presidente cancelaria investigações contra Flávio Bolsonaro.

Variação 4:
As investigações contra Flávio Bolsonaro não foram anuladas porque o pai dele afirmou que não tem esse poder.

Variação 5:
Flávio Bolsonaro não está livre de investigações porque o pai dele diz que não tem poder para cancelá-las.

Variação 6:
Flávio Bolsonaro ainda está sob escrutínio da justiça porque o pai dele alega não ter poder para anular as investigações.

Variação 7:
Dependesse do pai dele, Flávio Bolsonaro não estaria sendo investigado.

Variação 8:
O pai de Flávio Bolsonaro diz não ter poder para impedir as investigações contra o filho, mas que, se tivesse, impedi-las-ia.

Variação 9:
Haveria interrupção nas investigações contra Flávio Bolsonaro se o pai dele tivesse poder para bani-las.

Variação 10:
Flávio Bolsonaro é investigado; não seria se dependesse do pai.

O escrevinhador deste texto acredita que as investigações contra o rebento serão anuladas. Ou canceladas. Ou arquivadas. Ou “esquecidas”. 

domingo, 5 de janeiro de 2020

Fartura e falta

Livros didáticos têm “muita coisa escrita.
O céu tem muita estrela.
A partitura tem muita nota.
O mar tem muita água.
O carro tem muita peça.
O prédio tem muito tijolo.
O corpo tem muito átomo.
A floresta tem muita árvore.

A mente dele tem muita burrice. 

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

2020 hoje, sempre

2020 não será melhor. Torturadores continuarão torturando; defensores de torturadores continuarão os defendendo. Ditadores continuarão governando; defensores de ditadores continuarão os defendendo. Milicianos continuarão comandando; defensores de milicianos continuarão os defendendo. Ignorantes continuarão atacando o conhecimento; defensores de ignorantes continuarão os defendendo.

Os que acreditam em “kit gay” e em mamadeira de piroca continuarão existindo. Os que acham que “o exército não matou ninguém” continuarão existindo. Os que desejam câncer para o outro continuarão existindo. Os que se dizem de bem e defendem assassinatos e assassinos continuarão existindo. Os que não querem cultura continuarão existindo, bem como os que não querem ciência. 2020 não será melhor.

Isso não é pretexto para que nada façamos. O embate deve prosseguir não porque um novo ano começou, mas porque ideias de extermínio e de exclusão não desapareceram junto com a fumaça dos fogos de artifício depois de meia-noite. Corpos afundam no mar, mas há mitos inaugurais bonitos e atávicos que são recriados, há ventos e espíritos que pairam sobre a água de que bebemos. 

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Haicai 75

Acharam um Moro.
Podem quebrar mais
do que o decoro. 

domingo, 29 de dezembro de 2019

Aprendizados

Coisas que foram “ensinadas” neste ano:

• a alta do dólar é algo bom;
• o pobre não sabe poupar;
• desempregados devem bancar programa de geração de empregos;
• os Beatles surgiram para implantar o comunismo;
• o Brasil era socialista;
• a Terra é plana;
• o Leonardo DiCaprio dá dinheiro para tacar fogo na Amazônia;
• ONGs são responsáveis por queimadas na Amazônia;
• o Greenpeace derramou óleo no litoral brasileiro;
• o peixe é inteligente: desvia do óleo;
• o ambiente é um entrave para os negócios;
• questão ambiental só importa para os veganos;
• fiscais do Ibama e do Instituto Chico Mendes são criminosos;
• os garimpeiros e os madeireiros devem ser defendidos dos fiscais do ambiente;
• os fiscais do ambiente devem ser desarmados; a população deve ser armada;
• as ações criminosas dos desmatadores devem ser encorajadas;
• o aquecimento global é uma invenção marxista;
• universidades públicas escondem plantações de maconha e produzem drogas sintéticas;
• faculdades de humanidades não trazem retorno à sociedade;
• estudantes e professores que protestam são imbecis;
• professor é inimigo; miliciano é amigo;
• Paulo Freire não presta;
• as escolas têm “kit gay” e mamadeira de piroca;
• a escravidão foi benéfica para os descendentes dos escravos;
• não existe racismo no Brasil;
• o Brasil pode ser destruído por feitiçaria e sacrifícios;
• o turismo sexual deve ser estimulado;
• os direitos humanos são deletérios;
• a fome no Brasil é mentira;
• as normas de combate ao trabalho escravo devem ser afrouxadas;
• o trabalho infantil é bom;
• é hipocrisia a crítica de nepotismo quanto à indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada americana;
• o INPE e o IBGE divulgam dados incorretos;
• blocos de rua no carnaval são adeptos do “golden shower”;
• o golpe que levou à ditadura militar deve ser comemorado;
• torturadores e ditadores devem ser exaltados;
• a implantação do excludente de ilicitude e do AI-5 não são tão impossíveis assim;
• alvejar alguém com centenas de tiros é apenas um incidente: “O exército não matou ninguém”;
• dentro de casa, uma arma e um liquidificador oferecem o mesmo risco;
• veículos de comunicação que não apoiam o governo devem ser intimidados; seus anunciantes devem ser ameaçados;
• as críticas são a mídia querendo derrubar o presidente e são pessoas torcendo contra o governo;
• comerciais de estatais não podem mostrar jovens negros nem podem mostrar homossexuais;

2020 vem aí. Pleno de pessoas a fim de “aprender”. 

quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

Chatice

Natal

Alastra ignorância e arrota preconceitos, mitifica torturadores e adora assassinos. Em nome do que chamou de “menino Jesus”, enviou mensagem me desejando “um santo Natal”. Fiquei comovido com a desfaçatez. 

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Ora, ora

Para ela,
rezar é uma tortura.
Ora ela reza para que
o capitão expulso torture,
ora ela reza para que
os oponentes dele
sejam torturados. 

Mais burocracia

O burocrata, em regra, lê mal e escreve mal. Por não saber ler e não saber escrever, as regras que ele mesmo estipula, no mais das vezes, são ininteligíveis. Ele considera que tolos cliques numa tela são mais importantes do que saber ler, do que saber escrever, do que ser criativo. O burocrata enxerga a tecnologia como um fim em si, não como um meio. O burocrata se regozija em produzir autômatos como ele. 

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Retorno à burocracia

O primeiro “pecado” da burocracia é a falta de imaginação. Ficasse só nisso, ela até que seria suportável. O problema é que a burocracia atinge, mais cedo ou mais tarde, o reino da burrice. Ao fazer isso, atrapalha toda a comunidade. Com a burocracia, se o objetivo é sair do destino “A” e chegar ao destino “B”, esse caminho não pode ser feito de modo direto. É preciso, antes, que se fique emperrado no setor “A1”, depois no setor “A2”, depois no setor “A3”, depois no setor “A4”... O número de setores, antes que se chegue a “B”, dependerá dos caprichos e da falta de imaginação dos burocratas.

O princípio básico da burocracia é este: se é possível complicar, não faz sentido simplificar. O sonho da burocracia é ser sofisticada, eficaz, mas ela não entende que excesso de documentos não implicam eficiência. A burocracia criou para si a ilusão de que papeladas, assinaturas, trâmites e detalhes inúteis são indícios de rigor, de organização, de autoridade. Não há nada disso. Quanto mais papeladas, assinaturas, trâmites e detalhes inúteis, maior a expressão da ineficácia e da burrice da burocracia.

Se a burocracia fosse um reino fechado em si e que atuasse somente para aqueles que, destituídos de senso de encantamento, enxergassem nela alguma utilidade, não haveria problema. Os burocratas reunir-se-iam em suas mansões de documentos e ficariam tramitando até o fim dos tempos sua papelada inútil. Só que isso não ocorre. Os burocratas, à medida que a tecnologia vai avançando, vão se especializando em... criar mais burocracia — para os outros.

A informática, aliada da velocidade, é, nas mãos dos burocratas, instrumento de inutilidades e de lentidão. Alegando coisas como competência, produtividade, transparência, agilidade, os burocratas acabam prestando um desserviço, fazendo com que todos ao redor fiquem presos nas garras de tarefas que emperram a produção, tarefas que ocupam um todo considerável de trabalhadores que, não estivessem envolvidos com tolas burocracias, poderiam estar sendo úteis.

A burocracia é o mundo do faz-de-conta. Sem se predispor a resolver os verdadeiros problemas, ela trata de inventar encrencas de outra ordem. Nessa inocuidade, os burocratas, pagos para resolverem problemas ou para criarem soluções, acabam informatizando um problema onde antes havia uma solução ou onde, pelo menos, não havia um problema. A burocracia é engodo com cara de solução. A burocracia é a “arte” de desenvolver picuinhas que nada têm a ver com agilidade nem com solução de percalços, embora os burocratas se vendam como pertencentes à quintessência do trabalho e como os arautos-mores de palavrinhas como “empreendedorismo” e “pró-atividade”, que estão na moda.

A burocracia é a morada do lugar-comum, a casa do discurso empolado, o lar do discurso pseudointeligente. Reina na burocracia o mundo da aparência, em atitudes que se vestem e se revestem de mais e de mais papéis, de mais e de mais cliques, para não revelarem o que há por trás delas: dispêndio improdutivo de tempo e desperdício de talentos. Sei que tenho de conviver com infernos; a burocracia é só um deles. Ela é coisa inútil alçada à condição de pilar principal no funcionamento das coisas. Não é a burocracia que faz um país. Fosse, o Brasil seria grande. 

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Os quereres

Queres rebeldia?
Sê tua sagacidade.

Queres beleza?
Sê teu poema.

Queres paz?
Sê tua dança.

Queres saúde?
Sê teu rabanete.

Queres humor?
Sê tua pilhéria.

Queres elegância?
Sê teu corpo.

Queres realização?
Sê teu dom.

Queres pontualidade?
Sê teu relógio.

Queres o bem?
Sê tua inteligência.

Queres sofisticação?
Sê teus livros.

Queres um caminho?
Sê teu guia.

Queres deus?
Sê teu milagre. 

Haicai 74

Afaga larápio.
Inventando despiste,
culpa DiCaprio. 

Água cadente

A sede não tem fim:
no país dos alimentos envenenados,
querem privatizar a água.

Os que já morrem famintos
morrerão de sede.
Os que já morrem sedentos
morrerão de sede.

A carne é cara,
o combustível é caro,
a água será cara.

Na líquida meritocracia,
ricas taças em mãos
que empunham látegos
invisíveis e eficazes.

Na sólida sarjeta,
a sede de um homem
ergue, com fome,
os lábios para o céu,
bebendo da água
que cai para todos. 

sábado, 2 de novembro de 2019

Lambança diplomática

Primeiro, o mandatário brasileiro disse que não parabenizaria o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández. Agora, Bolsonaro tem dito que não irá à posse do argentino. Ainda no rol das lambanças do clã da família bolsonarista, Eduardo Bolsonaro postou imagem em que, à direita, ele, Eduardo, está em meio a armas; à esquerda, Estanislao Fernández, filho de Alberto Fernández, está usando fantasia. Enquanto isso, Trump não se fez de rogado: ligou para o presidente eleito da Argentina e o parabenizou, ocasião em que teria dito: “Parabéns pela grande vitória. Vimos pela televisão. Você vai fazer um trabalho fantástico”.

Embora se possa elencar semelhanças entre Trump e Bolsonaro e embora o presidente brasileiro não esconda a admiração que tem pelo colega norte-americano, há uma diferença básica: Trump não é tão burro quanto Bolsonaro nem quanto a família deste. Trump é esperto o bastante para saber que inabilidade nas relações diplomáticas pode implicar perda de dinheiro para os países. Não há como eu saber o que de fato Trump pensa sobre Alberto Fernández. Isso não importa. O que importa é que ele não foi imbecil o bastante a ponto de não perceber que ele tem um papel diplomático e político a cumprir. Ao ligar para Fernández, Trump está no mínimo levando em conta que ele representa os EUA e que há parceria comercial entre o país dele e a Argentina.

Em âmbito mundial, a Argentina é o terceiro maior comprador de produtos do Brasil. Goste Bolsonaro ou não, Fernández foi eleito democraticamente. Além disso, há uma série de acordos comerciais que vêm sendo alinhavados ao longo do tempo; parte desses acordos ainda não foi implementada ou não foi concluída. Faniquitos não deveriam fazer parte do comportamento de um presidente, mas o nosso é pródigo em fricotes, seja quando não responde a questionamentos que são da alçada dele responder, abandonando coletivas de imprensa, seja quando não responde a questionamentos e prefere a falta de compostura nas palavras, seja quando é destemperado em transmissões ao vivo, seja quando não pensa no país e faz declarações infantis, rancorosas e toscas. Bolsonaro não tem de bajular Fernández, mas se Bolsonaro e família ficassem calados em questões que resvalam para a diplomacia, já estariam fazendo bem para o Brasil. 

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Flamengo dá uma surra no Grêmio

A instituição Grêmio, os torcedores do time e os atletas que estiveram há pouco em campo no Maracanã não merecem o que ocorreu hoje no estádio; o Portaluppi, com a empáfia dele, sim. A goleada do Flamengo deixou claro, mais uma vez, o atraso dos técnicos brasileiros em relação aos estrangeiros. Técnicos, ex-técnicos, jogadores e ex-jogadores do futebol jogado por aqui, num deletério corporativismo, têm distribuído farpas, alegando que o brasileiro tem a mania de valorizar o que vem de fora em detrimento do que há aqui, numa referência indireta aos elogios que têm sido feitos para Jorge Jesus.

De fato, isso é da natureza de parte dos brasileiros, que preferem deglutir qualquer gororoba que venha de fora em vez de dar valor às coisas boas que temos. Todavia, no caso específico do futebol, no todo, não temos bons técnicos. No geral, os que temos servem para o futebolzinho praticado aqui; não sobrevivem a vinte minutos nas grandes competições, não sobrevivem a dois jogos contra um técnico estrangeiro (refiro-me, neste último caso, ao Grêmio de há pouco, que enfrentou o Flamengo, com seu técnico português).

Não é preciso entender de futebol para se constatar que o Grêmio foi esmagado no jogo de hoje no Maracanã. Jorge Jesus, ainda que sem querer, esfregou na cara do ludopédio brasileiro o quanto somos incompetentes para produzir um futebol respeitável e profissional. O jeitinho, a falta de profissionalismo e a cabotinice foram pisoteados na partida que terminou há pouco.

Suspeito de que o River Plate será o campeão da Libertadores; à parte isso, Jorge Jesus é a prova de que cartolas e técnicos brasileiros estão aquém do futebol mundial. Mesmo sem ganhar a Libertadores, Jorge Jesus é a grande lição que o futebol brasileiro seguirá não aprendendo. O Grêmio foi pequeno, foi a cara do futebol aqui jogado. A instituição Grêmio é imensa; o atual técnico deles sentiu na pele que pueris jogos de palavras, vaidade e presunção não ganham partidas.

Tivesse o futebol brasileiro alguma humildade, estivessem os que gerem esse esporte a fim de aprenderem algo, isso já teria sido feito depois do 7 a 1 lá no Mineirão, na Copa de 2014; a goleada não serviu para nada, pois o futebol daqui continuou sofrível. Hoje, tivemos mais uma lição de que chega o dia em que amadorismo e arrogância são moídos. O futebol daqui seguirá iludido e dizendo para si mesmo que é bom, enquanto leva goleadas, sejam elas dadas por técnicos estrangeiros, sejam dadas por jogadores do exterior. 

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Como eu escrevo

José Nunes faz doutorado em direito pela UnB. Paralelamente, ele tem um projeto intitulado Como Eu Escrevo, em que algumas perguntas são enviadas para escritores e pesquisadores. Fui um dos entrevistados no projeto. Caso alguém se interesse em conferir, é só clicar aqui

sábado, 7 de setembro de 2019

Os indecentes

O Crivella quis proibir veiculação de HQ contendo beijo gay. A história, publicada em 2010, foi escrita por Allan Heinberg e desenhada por Jim Cheung. A atitude do prefeito é anacrônica e ditatorial: os exemplares disponíveis na Bienal estavam lacrados. Não bastasse, acabou se tornando um garoto-propaganda involuntário para o trabalho, que passou a ser muito procurado (esgotou-se no evento) e divulgado. O @felipeneto vai distribuir dez mil livros com temática LGBT no evento, numa bela resposta à atitude tacanha do Crivella.

Há quem alegue ser indecência ou ser ataque contra a família quando há a expressão de comportamentos homossexuais. Curiosamente, esse pessoal não enxerga problemas quando de fato há. Para eles, um beijo gay é indecência, mas aplaudir quem defende ditador pedófilo, aplaudir quem defende tortura ou aplaudir quem nega o conhecimento científico não é indecência.

Os que se declaram plenos de espírito cívico deveriam se lembrar da Constituição: “É livre a manifestação do pensamento”. Ou ainda: “É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. (Por falar em atividade científica, há quem aplauda governo que veta pesquisa contra câncer ou que nega dados quanto a queimadas.) 

sábado, 31 de agosto de 2019

Tia Olinda

Esta é minha tia Olinda; ela é irmã de meu pai (ele morreu há vinte anos). Olinda tem oitenta, é viúva há sessenta. Se não me engano, um trem de ferro passou por cima do ex-marido dela numa visita que ele fez a um parente em Barbacena. Viúva aos vinte anos, Olinda nunca se casou novamente. Ela e o ex-marido tiveram três filhos.

Há um tempão era ideia minha fotografar a tia Olinda, que é uma senhora simples e que mora no mesmo lugar, uma casa também simples, desde que tenho memória. Durante a sessão de fotos, ela disse que a casa estava desarrumada, mas comentei com ela que minha intenção era buscar certa espontaneidade não só no lugar, mas também em minha tia.

Para isso, nada de poses mirabolantes; ademais, não faria sentido pedir isso a uma senhora. Procurei apenas pedir a ela que se virasse e que ora encarasse a lente, ora não a encarasse. O ensaio foi breve e frutífero. A tia Olinda não ficou sem jeito diante da lente, para a qual ofereceu expressão e olhar fortes.

Enquanto eu tirava as fotos, ela ficou rememorando as histórias da família, em especial, as ligadas a mim e a meus irmãos. Num certo momento, disse-me que quando eu era pequeno, eu dizia que queria ser escritor quando eu crescesse. Eu jamais me lembraria disso. 

A rigor, mesmo depois de a tia Olinda ter mencionado a pequena história, não consigo me lembrar de alguma vez ter dito que eu queria ser escritor. Mesmo assim, fiquei contente em saber que na infância eu expressava esse desejo, que, afinal, concretizou-se.